O mundo está ao contrário Foto: Pixabay

Estamos atravessando uma fase tão delicada da política nacional que, mesmo sendo portador de um mandato que nos dá legitimidade para opinar em assuntos relevantes para a República, e também elaborar e votar leis que mudem o país para melhor, diante das expectativas de um povo guerreiro, que não esmorece e enfrenta as intempéries – sol, chuva, cansaço e desconforto – por um ideal de insatisfação com os acontecimentos; antes e após o pleito de outubro; nos sentimos impotentes frente aos fatos, que acontecem em efeito cascata.

Assim, quanto mais tentam apequenar as casas legislativas; com soluções mirabolantes que partem de quem não disputou, nem tem um voto popular sequer; sinto, com mais vigor, uma força hercúlea para enfrentar “legisladores” sem voto.

Alguns estão propondo desencarceramento total, alegando que existem milhares de presos provisórios, dando a entender uma falsa precariedade do sistema. Mas veja, nosso processo penal é tão benevolente que somente poucos artigos do código penal mantêm alguém preso. O fato é que apenas 33% dos crimes contra a vida são esclarecidos, e a média de roubos esclarecidos é muito baixa no país. Portanto, não existe super encarceramento, mas sim pouca investigação dos crimes. O que faz com que a sociedade tenha uma sensação de impunidade. Ainda outros falam em regulação das mídias sociais, nos moldes das mais nefastas ditaduras mundiais, com tanta naturalidade como se fossem os donos da verdade e da vontade popular.

Também, políticos esquerdistas tentam emplacar quatro anos de prisão a quem discordar do sistema eleitoral brasileiro; que, nos moldes atuais, causa mais dúvidas do que esclarecimentos. Sem votos, há ainda aqueles que pregam o desarmamento das pessoas de bem, que possuem armas apenas para defesa pessoal e da família e de entretenimento em clubes de tiro. Ninguém compra arma legal sem apresentar capacitação civil e psicológica, o que derruba qualquer argumento enviesado de que legalização de armas aumenta o crime.

Vemos também que os movimentos criminosos de invasão de propriedade estão de volta, com bandeiras de distribuição de terras de latifúndios, com falsas alegações de terras improdutivas. Essas invasões estão causando terror no agro, que atravessa um momento de sucesso na produção de grãos, trazendo riquezas para o país.

Nós poderíamos gastar laudas sem fim para enumerar os absurdos que proliferam por parte de áulicos do marxismo leninismo, que propõem uma democracia plena. Até como diz o criminoso treinado em Cuba: “tomar o poder” e implantar uma sanguinária ditadura, com uma guarda revolucionária aos moldes iranianos, que nesta semana executou 200 manifestantes que faziam parte do povo ordeiro daquele país.

Finalizo pedindo a Deus que livre nosso povo dessas trevas que se avizinham. E que derrame as mais escolhidas bênçãos celestiais a todo o povo brasileiro.

Fonte: Pleno News

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.