Possível trapaça faz mundo do xadrez viver uma de suas maiores polêmicas

A decisão de Magnus Carlsen, considerado o maior jogador de xadrez do mundo, de abandonar o prestigiado torneio Sinquefield Cup, nos Estados Unidos, na quarta-feira, virou uma novela recheada de polêmicas, desencontros e acusações. O norueguês nunca havia desistido de uma competição e seu anúncio de despedida, após ser derrotado, atraiu os holofotes.

Sem explicar o motivo de sua saída, ele publicou um vídeo do técnico de futebol José Mourinho, da Roma, em que o português diz "eu prefiro não falar. Se eu falar, eu vou entrar em um grande problema e eu não quero isso". A suspeita é de que seu adversário na partida teria trapaceado.

O adversário que derrotou Carlsen foi Hans Niemann, de apenas 19 anos, que teve uma ascensão meteórica ao grupo dos 50 maiores enxadristas do mundo, a exemplo de Carlsen em sua época. Niemann disse em entrevista após a vitória que por um "milagre absurdo" descobriu como seriam as jogadas iniciais do rival e se preparou bastante na manhã da partida para essa estratégia.

A alegação de "milagre" do jovem enxadrista gerou desconfiança. Uma das acusações é de que Niemann teria trapaceado usando o "engine", um programa de inteligência artificial para jogos online de xadrez, mas não se sabe que dispositivo poderia ter sido usado para obter essa ajuda externa em tempo real. Nada, por ora, foi confirmado.

Niemann celebrou sua inesperada vitória com uma publicação nas redes sociais e não comentou sobre a polêmica que ela gerou. "Sou eternamente grato pela oportunidade de jogar xadrez ao mais alto nível e viver meus sonhos. Alguns anos atrás, meus sonhos de xadrez estavam indo embora rapidamente, mas, felizmente, eles ressuscitaram dos mortos. Este é apenas o começo…", publicou o enxadrista, em sua conta no Twitter.

O enxadrista americano Hiraku Nakamura saiu em defesa de Carlsen e foi uma das principais vozes a levantar suspeitas, sem apresentar provas, contra o comportamento de Niemann. "Magnus Carlsen nunca faria isso (deixar um torneio). Ele simplesmente não faz isso. Ele é um grande competidor, campeão mundial. Ele nunca faria isso a não ser que realmente acredite que Niemann estava trapaceando".

Niemann admitiu que trapaceou em dois momentos da carreira quando era mais adolescente, mas disse que deixou isso no passado. Ele se mostrou surpreso com a desistência de Carlsen. "Eu estava com dificuldades para me concentrar na partida seguinte, estava pensando nisso durante todo o jogo", disse a jornalistas, citando o empate com o francês Alireza Firouzja. "É bem estranho. Eu não quero tirar nenhuma conclusão. Pelo menos, o derrotei antes de ele deixar a competição".

A Sinquefield Cup informou que tem tomado medidas para coibir possíveis trapaças no xadrez. Após a polêmica, algumas rodadas começaram atrasadas para checagem com detector de metais por uma equipe de segurança. Esses procedimentos são comuns na modalidade.

"Se eles quiserem que fique totalmente nu, eu fico", disse Niemann ao jornal The Guardian. "Eu não me importo. Porque sei que estou limpo. Você quer que jogue em uma caixa fechada com transmissão eletrônica zero, eu não me importo. Estou aqui para vencer e esse é o meu objetivo."

Fonte: Notícias ao Minuto

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.