Pernambuco: Policial Militar, mata esposa gravida, invade batalhão e executa colega de farda

Pernambuco: Um policial militar matou a esposa grávida de três meses, invadiu um batalhão da PM, matou um colega, feriu outros três e se matou nesta terça-feira (20), em Pernambuco.

O primeiro crime, o assassinato da esposa que estava grávida, aconteceu no distrito de Cabo de Santo Agostinho, a 37 km de Recife, onde o segundo crime aconteceu. Ao invadir o 19º Batalhão de Polícia Militar, o criminoso atirou contra os colegas, resultando em uma morte de três pessoas feridas. O assassino se matou após os crimes.

A mulher foi socorrida por familiares e levada para a Unidade de Pronto Atendimento do Cabo de Santo Agostinho, mas nem ela nem o bebê resistiram aos ferimentos.

VÍTIMAS

  • Claudia Gleice da Silva: esposa do soldado, ela tinha 33 e estava grávida de três meses. Após ser atingida por sete tiros, ela foi levada por parentes para a Unidade Pronto Atendimento do Cabo de Santo Agostinho, mas não resistiu aos ferimentos e morreu;
  • Wagner Souza: tenente da PM, morreu após ser baleado na sede do 19º BPM;
  • Aline Maria: major da PM, passou por cirurgia, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu à noite;
  • Paulo Rebelo: cabo da PM, foi ferido no ombro, encontra-se internado para avaliação médica;
  • Maurino Uchoa: sargento da PM, foi atendido e recebeu alta médica.

Um veículo do Instituto de Medicina Legal (IML) também foi enviado ao local. O corpo da vítima do batalhão levado para o IML Recife. Os outros dois PMs baleados foram levados para o Hospital Português, na área central da cidade. Um terceiro policial foi levado para o Hospital da Restauração e já recebeu alta. 

Fonte: G1 – FOTO:

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos.”

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.