Ministério da Justiça: Fernandinho Beira-Mar e mais 22 detentos transferidos do presídio do Rio Grande do Norte

Mossoró: Fernandinho Beira-Mar, uma das principais lideranças da facção criminosa Comando Vermelho, foi transferido do presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, para Catanduvas, no Paraná, no sábado (2). A mudança se deu após a penitenciária registrar a primeira fuga de detentos de uma unidade de segurança máxima.

Segundo a Justiça Federal no Rio Grande do Norte, o rodízio de internos entre as penitenciárias federais é estratégia de rotina. Além de Fernandinho Beira-Mar, mais 22 detentos foram transferidos para outras unidades federais —inicialmente, a informação era de que 24 pessoas teriam sido transferidas, mas um pedido foi indeferido pela Justiça.

Policiais penais acompanham presos durante a transferência de Mossoró para outras unidades federais
Policiais penais acompanham presos durante a transferência de Mossoró para outras unidades federais – Divisão de Comunicação/Senappen

“A transferência de presos da Penitenciária Federal de Mossoró, nas últimas horas, foi autorizada, mediante solicitação do diretor do Sistema Penitenciário Federal, pela Corregedoria da Penitenciária Federal de Mossoró, tendo em conta essa necessidade de rodízio”, disse o órgão, em nota.

O Brasil reúne cinco presídios federais de segurança máxima, que estão sob coordenação do Senappen (Secretaria Nacional de Políticas Penais), do Ministério da Justiça. Essas unidades estão situadas em Catanduvas (PR), Campo Grande (MS), Porto Velho (RO), Mossoró (RN) e Distrito Federal.

São prisões construídas para receber lideranças do crime organizado e condenados de alta periculosidade. Ao todo, os cinco presídios abrigam 489 presos.

A Senappen disse, em nota, que o remanejamento de presos no âmbito do sistema federal é medida importante para seu “perfeito funcionamento”, pois visa impedir articulações das organizações criminosas dentro dos estabelecimentos de segurança máxima, além de enfraquecer e dificultar vínculos nas regiões onde se encontram as penitenciárias.

Além de Fernandinho Beira-Mar, a lista reúne, por exemplo, nomes como Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, identificado como líder da facção criminosa PCC; e Marcelo Valle Silveira Mello, um dos criadores do Dogolachan, fórum extremista que já foi considerado a maior rede de ódio do país.

Tais presídios são equipados com modernos sistemas de vigilância, com câmeras escondidas e sensores para detectar pessoas e drogas. Cada preso tem uma cela individual.

Os presídios também contam com equipamentos para atendimentos médico, odontológico, psicológico e de enfermagem, com o intuito de evitar a transferência dos presos.

O primeiro deles foi inaugurado em Catanduvas (PR), em junho de 2006. Logo no mês seguinte a unidade recebeu Fernandinho Beira-Mar, que também passou pelo presídio em Campo Grande e na unidade em Mossoró.

A penitenciária federal de Mossoró foi palco de uma fuga inédito em presídios federais, que ocorreu na madrugada do dia 14 de fevereiro e expôs o governo de Lula (PT) a uma crise justamente em um tema explorado por adversários políticos, a segurança pública.

Cerca de 600 policiais foram envolvidos nas operações, incluindo cem integrantes da Força Nacional. Helicópteros e drones foram usados nas buscas. Investigadores dizem acreditar que os fugitivos ainda estejam no Rio Grande do Norte.

Os fugitivos são Rogério da Silva Mendonça, 36, conhecido como Martelo; e Deibson Cabral Nascimento, 34, chamado de Deisinho ou Tatu —segundo as investigações, eles são ligados ao Comando Vermelho.

A área de ação envolve cavernas e matas, locais com grande incidência de animais peçonhentos e chuvas frequentes, o que tem desafiado as equipes. A região de Mossoró conta com mais de 300 cavernas e grutas mapeadas, que podem acomodar apenas uma pessoa e até serem aptas a ampla exploração.

As buscas pelos fugitivos continuam afetando a rotina nas comunidades rurais. Por orientação de policiais, desde que os detentos escaparam da prisão os moradores se recolhem ao anoitecer.

A população relata que a polícia está fazendo visitas domiciliares e entregando cartazes com as imagens dos fugitivos acompanhadas de números de telefone para denúncias. A polícia oferece recompensa de R$ 15 mil por cada fugitivo.

Além disso, as autoridades pedem que a população mantenha as casas trancadas no período da noite.

DETENTOS QUE CUMPREM PENA OU JÁ PASSARAM POR PRESÍDIOS FEDERAIS

Marcinho VP
Márcio dos Santos Nepomuceno é apontado como chefe do Comando Vermelho e responsável pelos pontos de venda de drogas no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro.

Marcelo Valle Silveira Mello
Preso por ameaças terroristas, divulgação de pornografia, incitação à violência e racismo, entre outros crimes.

Juan Carlos Abadía

Líder de cartel de drogas na Colômbia e fugitivo da polícia norte-americana, foi preso em Barueri (SP) e deportado para os Estados Unidos.

MARCELO PINTO
Marcelo Pinheiro Veiga, considerado uma das lideranças do Comando Vermelho, tem extensa ficha criminal: homicídios, roubos, incêndio, porte ilegal de armas e formação de quadrilha.

ELIAS MALUCO
Elias Pereira da Silva foi um dos maiores traficantes do Rio de Janeiro e responsável pelo assassinato do jornalista Tim Lopes. Foi encontrado morto em sua cela no presídio de Catanduvas em setembro de 2020.

FERNANDINHO BEIRA-MAR
Luiz Fernando da Costa é considerado um dos principais traficantes de armas e drogas da América Latina.

ÉLCIO QUEIROZ
Expulso da Polícia Militar em 2015 e acusado de atuar em milícias, ele confessou participação na execução da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, em 2018.

RONNIE LESSA
Também acusado da participação na morte de Marielle Franco. Segundo Élcio de Queiroz, que dirigia o veículo usado no crime, foi Lessa quem atirou contra a vereadora e o motorista Anderson Gomes.

MARCOLA
Marcos Camacho, apontado como líder do PCC, cumpre pena na Papuda, no Distrito Federal.

CESARE BATISTI

Ativista italiano condenado à prisão perpétua pela Justiça de seu país, Battisti morava no Rio de Janeiro em 2007, quando teve a prisão preventiva decretada.

Nota: Deveríam ser 24 o número de transferidos de Mossoró. Entretanto, a justiça atendeu e uma das transferências acabou sendo deferida.

Fonte: Folha de São Paulo

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Compromisso com a Verdade, esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos”

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.