Marcelo Guimarães, ex-presidente do Bahia, culpa a gestão pela derrocada tricolor, com Bellintani, “Virou palanque político”

909

Esporte Clube Bahia:  Marcelo Guimarães, ex-presidente do clube entre 1997 à 2005, fez duras críticas a atual gestão do clube, comandada por Guilherme Bellintani e Vitor Ferraz.

Através de uma carta assinada, o cartola, que também é pai do ex-presidente do clube, Marcelo Guimarães Filho, gestor durante 2008 e 2013, quando foi deposto, acusou os ‘responsáveis diretos pelo atual vexame e desgaste vivido pelo clube’.

Indicando que o Esquadrão vive uma falsa democracia, desde a intervenção ocorrida em 2013, capitaneada pelo advogado Carlos Rátis, Guimarães alega que o clube sofreu um ‘golpe’.

“Responsáveis diretos pelo desmoralizado “golpe” no Esporte Clube Bahia, prometendo democratizar o clube e torná-lo uma potência no futebol do país, Jaques Wagner, Nelson Pelegrino e Sidônio Palmeira desapareceram por completo, sem uma palavra para justificar o completo caos e descrédito que se instalou no nosso clube, que virou palanque do PT e é administrado pelo marqueteiro político, gerido por um bando de neófitos e inexperientes no futebol, que não aceitam as críticas e a verdade”, escreveu.

Ressaltando o Estatuto do Clube, o ex-presidente criticou o processo que culminou na saída de MGF do comando do clube, considerando a ação um processo ‘nefasto, engendrado pelo grupo que tomou o poder, através da influência política’.

Além de elencar os fracassos que marcaram a trajetória do clube nos últimos anos, como perda da Copa do Nordeste de 2018 para o Sampaio Corrêa, em plena Fonte Nova e eliminação para o River do Piauí, em 2020, o texto também reprova o crescimento da dívida do clube, que atualmente gira em torno dos R$ 400 milhões. 

“Quase nove anos depois da vergonhosa ‘intervenção’ é fácil perceber que destruíram o clube. Atualmente com dívida de R$ 400 milhões, pagamento a curto prazo de R$ 100 milhões, divisão de base esfacelada, time profissional rebaixado e um presidente que nada ou muito pouco entende de futebol, só de redes sociais, nosso clube caminha para a desmoralização total” completa.

Com gestão bastante criticada pelos rebaixamentos à Série B em 2004 e a Série C em 2005, Marcelo Guimarães foi sucedido por Petrônio Barradas. Já MGF acabou deixando o Tricolor após a intervenção impetrada pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJB).

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Compromisso com a Verdade, esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos”.

Deixe uma Resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui