IMPEDIMENTO: Bolsonaro precisa ser impedido de emporcalhar o Brasil no exterior

Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, comprovadamente fez tudo para disseminar o coronavírus no País, e ajudar a Covid-19 a matar o maior número possível de brasileiros. E conseguiu! Já são mais de 640 mil óbitos, fora as subnotificações.

Ele incentivou e promoveu aglomerações; combateu e boicotou ao máximo a vacinação (inclusive de adolescentes e crianças); mentiu de todas as formas sobre distanciamento social e uso de máscaras; receitou e distribuiu medicamentos ineficazes.

Se o Brasil não fosse o paraíso da impunidade, onde um corrupto e lavador de dinheiro, condenado em três instâncias, encontra-se livre, inclusive para assaltar novamente, o amigão do Queiroz já estaria fora da Presidência, respondendo por seus crimes.

Infelizmente, somos o que somos e temos o que merecemos. Cerca de 25% da população brasileira admiram o comportamento homicida, preconceituoso, homofóbico, xenófobo e racista do patriarca do clã das rachadinhas, mansões e panetones de chocolate.

Igualmente, outros 25% apoiam mensalão e petrolão; financiamento a ditadores e ditaduras; amizade e irmandade com facínoras e terroristas sanguinários mundo afora; controle da imprensa, luta de classes e outras porcarias lideradas pelo meliante de São Bernardo.

Fato é que, hoje, o presidente é Jair Bolsonaro, marido de uma receptora de cheques de milicianos, e este sujeito, que debocha das vítimas do corona e faz troça dos enlutados, expandiu seus tentáculos de desumanidade e crueldade para o leste europeu.

O abjeto apoiou e se solidarizou com Vladimir Putin, o carniceiro que devasta a Ucrânia e ameaça a humanidade com uma guerra nuclear. Alinhado ao assassino, ‘culpou’ os ucranianos pelo massacre, porque, vejam só!, elegeram um comediante para a Presidência do país.

Mas não só: de forma absolutamente inaceitável e descolada da realidade – até porque, sua realidade se resume a praia e jet ski (pagos com nossa grana, é claro), entremeados com tentativas de golpe e arruaças digitais -, afirmou, em defesa do tirano russo: ‘não há massacre na Ucrânia’.

Apenas ontem, após um devastador ataque à segunda maior cidade ucraniana, Kharkiv, civis, inclusive crianças e idosos, foram pulverizados por mísseis e bombas de fragmentação, algo tão horroroso que banido até mesmo das guerras mais cruéis.

O maníaco do tratamento precoce vem atirando o Brasil no mais profundo isolamento internacional da nossa história. Não podemos aceitar bovinamente, como fazem seus devotos, este cafajeste transformar o País no esgoto da humanidade a que ele próprio pertence.

A sociedade civil, as entidades de classe representativas, o Congresso Nacional, enfim, todos têm obrigação moral de mostrar para o mundo que não somos Bolsonaro, e que o Brasil não é o cafofo da zona oeste do Rio, de onde vieram este ordinário e sua família.

Chega desse verme! Chega da sua psicopatia, sociopatia, crueldade, infâmia e imoralidade, agora sem fronteiras. Chega de passar vergonha pelas falas desconexas e inaceitáveis deste pulha. Chega de ser tratado pelo mundo como pária. Chega, Brasil. Chega!

Fonte: IstoÉ

Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.

NOTA: As opiniões aqui expressas, são de responsabilidade do autor. Não reflete, necessariamente, o pensamento editorial do Redação Nacional.

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Compromisso com a Verdade, esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos”.

 

 

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.