DURA REALIDADE: Presidente Bolsonaro conduzem o Brasil para o “infinito e além” do fundo do poço sem fim

Dura Realidade: O Brasil é o país dentre as maiores economias do mundo que apresenta o pior resultado econômico durante a pandemia. Bem como o real, a moeda que mais de desvalorizou.

Nossa economia não se recupera; o desemprego atinge níveis recordes, com mais de 15 milhões de pais e mães de família sem ocupação e renda; a inflação explodiu, sobretudo a de alimentos e combustíveis, e a fome voltou a assombrar 40% da nossa população.

Tanto desastre assim conta com nome e sobrenome como culpado: Jair Bolsonaro. E também, sejamos justos, alguns sócios, como o próprio coronavírus e um certo Arthur Lira. O trio conduz o Brasil para o “infinito e além” do fundo do poço sem fim.

A única autoridade com poder – não confundir com pudor!! – e influência política que se acovardou diante da pregação golpista criminosa de 7 de setembro foi Lira. Aliás, não se acovardou, não. Simplesmente se omitiu. Até porque, sabemos todos, Bolsonaro, como pato manco, só lhe traz mais alguns bilhões de reais.

Fux, o presidente do STF, proferiu um correto e contundente discurso contra o golpismo e a vagabundagem presidenciais. Pacheco, o presidente do Senado, ainda que mais sútil e resumido, também. E o mesmo se viu das demais autoridades Brasil afora. Lira, o capo do centrão, é simplesmente uma vergonha!

A quarta-feira de cinzas, após o incêndio bolsonarista, apresentou o cartão de visitas do que está por vir: o dólar passou de 5,30 e a bolsa caiu mais 4%. Eis o resultado do ataque fascista de ontem e do endosso velado do presidente do Congresso Nacional.

Arthur Lira dá de ombros para a democracia, acena com o sinal verde para Bolsonaro continuar com suas arruaças e manda o seguinte recado aos investidores estrangeiros: “go away”! Caiam fora! E eles entenderam.

 

Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista  ISTOÉ, e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.NOTA RN: As opiniões, são de responsabilidade do autor. Não refletindo, necessariamente, a opinião do Redação Nacional.

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos.”

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.