COSTA DO DENDÊ – BAHIA: Governo do Estado concedeu 20% da Ilha para empreendimento de luxo, e é acusado de “Crime Ambiental”

1585

MEIO AMBIENTE – A Costa do Dendê é uma das regiões mais bonitas do litoral baiano e brasileiro. Deslumbrantes paisagens tropicais, com praias de águas mornas e tranquilas, coqueirais e manguezais, chamam a atenção de turistas no mundo todo, que visitam o local em busca de lazer e descanso. Isso foi o suficiente para despertar a cobiça do mercado hoteleiro,  que através de relações sórdidas com autoridades municipais e estaduais, vem avançando violentamente sobre a região.

Foto: Isabella Tanajura / Jornal A Verdade

No dia 07 de março, o INEMA (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos), órgão responsável pela política ambiental do estado da Bahia, baixou a portaria 28.063/2023, autorizando a construção do mega empreendimento turístico-imobiliário Ponta dos Castelhanos, localizado em uma das regiões mais preservadas da Ilha de Boipeba. Esse projeto ocupará 16.507.752,11 m², o que equivale a 20% da área total da ilha, suprimindo grande parte da mata original. Serão construídos para o desfrute dos endinheirados um aeródromo, 67 lotes residenciais, 02 pousadas com 25 quartos e 25 casas assistidas em cada uma delas e um píer para embarcações de médio porte. O projeto original conta até mesmo com um campo de golfe!

Em “compensação” ao enorme impacto desse projeto multimilionário, serão destinados irrisórios R$183.375,00 à “Implementação de Programa de Educação Ambiental e Elaboração de Projeto Socioambiental”. Ou seja: a privatização e devastação de um quinto de Boipeba em troca de migalhas para limpar a imagem dos capitalistas e suas marionetes políticas.

O MPF, já em 2019, recomendou a interrupção do processo de licenciamento ambiental, argumentando que o empreendimento irá descaracterizar o modo de vida das comunidades tradicionais, privando-lhes o acesso aos locais que utilizam por gerações para a pesca e o extrativismo.

A empresa Mangaba Cultivo de Coco, uma das responsáveis pelo projeto, tem como sócios o banqueiro e ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga e o herdeiro do Grupo Globo José Roberto Marinho. Apesar do simpático nome, seus interesses não são nada nobres. Em entrevista ao portal “O Eco”, o presidente da associação de moradores Raimundo Esmeraldino enfatizou de forma clara:

“Nunca plantaram um pé de coco, nem de mangaba, nada. Pelo contrário, querem tirar os pés da mangaba que são parte de nossa renda e alimentação”.

Fonte: Movimento Luta de Classes (MLC) – Bahia / Ong A Verdade.

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos.”