Cartão Corporativo: Bolsonaro se supera e gasta a bagatela de 900 mil reais: a cada folga entre dias não trabalhados

2205

Para quem, como eu, miseravelmente acreditou e votou neste estelionatário eleitoral, ler sobre os gastos secretos – e os não tão secretos assim – da Presidência da República e a ‘entourage’ inútil que lhe cerca e lhe baba os ovos, é estupidamente nauseante.


Quando Lula e Dilma, em farras homéricas no exterior, torravam fortunas da nossa grana em hotéis e restaurantes estrelados, e diárias (em dólares) para um bando de convivas, quem de nós não se irritava e amaldiçoava a trupe que comandou a cleptocracia petista?

MUDANÇA

Mensalão, petrolão, sindicalismo parasitário e capitalismo de compadres, além da indignação generalizada pelo aparelhamento dos Três Poderes, especialmente o Judiciário, na pele do STF, e do Executivo, aos cuidados do Centrão, nos fizeram dizer basta ao PT.

Sim, a destruição econômica causada por Lula, o meliante de São Bernardo, que explodiu no colo de Dilma Rousseff, nossa eterna estoquista de vento e saudadora de mandioca, contribuiu sobremaneira para a derrocada do regime cleptocrata, não restam dúvidas.

Mas é certo que o desejo cego pelo fim da corrupção e da impunidade moveu os eleitores que, como eu, a despeito de já considerar o amigão do Queiroz um imbecil, incapaz de cuidar de um condomínio de três andares, a fechar os olhos, tapar o nariz e cravar o 17.

PROMESSAS

Um dos lemas prediletos do devoto da cloroquina, no começo do desgoverno, era: ‘acabou a mamata, porra’! Outro: ‘comigo não tem toma lá dá cá; não tem Centrão’. Mais um: se for para fazer o que os outros presidentes fizeram, trocar cargos por votos, nem entro’.

Pois é. Quem diria, né, senhor marido da receptora de cheques de milicianos? A mamata acabou, sim, mas para quem está fora do governo. E o que falar das emendas secretas nas mãos de Artur Lira, hein? E dos cargos na PF e na Receita Federal para consumo próprio?

O que falar das latas de leite condensado e quilos e mais quilos de picanha superfaturada? Ou dos gastos recordes do seu cartão corporativo? Ou dos abraços e beijos em Dias Toffoli e Gilmar Mendes? E das nomeações de Augusto Aras e André Mendonça, ligados ao PT?

Jair Bolsonaro, o patriarca do clã das rachadinhas, mansões e panetones, já realizou 26 viagens internacionais, que não resultaram em nada para o Brasil. Em 18 delas, ao menos um de seus filhos esteve presente. Isso é o que se chama ‘acabou a mamata, porra!’?

ELEIÇÕES

Tenho insistido, quase diariamente, para que os eleitores acordem. Lula não presta! Mas Bolsonaro, menos ainda. O Brasil não se resume a estes dois trastes e seus eternos cúmplices. Estou falando de gente que já mostrou do que é e do que não é capaz, caramba.

Estou falando de gente sabidamente criminosa, condenada, pilhada ao vivo e em cores, delatadas (com provas e testemunhas), inclusive por operadores e assessores íntimos, que vêm destruindo o passado, presente e, quiçá, o futuro do País. O futuro dos nossos filhos!!

Você que me lê, quer mesmo continuar trabalhando quatro meses do ano apenas para pagar o custeio destes, destes, me perdoem o palavrão, mas é inevitável, filhos da puta? É sério, que o máximo que você consegue é gritar ‘Lula livre’ ou ‘Mito’? Na boa. Pense bem.

Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.

Nota: As opiniões, expressas neste editorial, é de responsabilidade do autor. Não representa, necessariamente, a opinião da Equipe Redação Nacional.

 

 

Foto: Alan Santos – PR – Divulgação

 

 

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Compromisso com a Verdade, esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos”.