Carazinho: Jovem desaparecida em desde fevereiro, teve o corpo enterrado em residência

709

 

Cadáver foi encontrado em uma cova na antiga garagem da casa 

A Polícia Civil confirmou nesta quarta-feira que o corpo de uma mulher encontrado em uma residência no bairro Princesa, em Carazinho, é de Suelen Marins, de 23 anos. A jovem estava desaparecida desde dia 26 de fevereiro deste ano. O caso é investigado pela Polícia Civil através da equipe da delegada Rita Felber de Carli. O suspeito do crime, de 39 anos, está preso temporariamente desde a semana passada.

À reportagem do Correio do Povo, o titular da 28ª Delegacia de Polícia Regional do Interior, delegado Edson Tadeu Cezimbra, observou que familiares da jovem identificaram o corpo por meio dos nomes dos dois filhos pequenos da vítima que estavam tatuados em um dos braços.

Sobre o suspeito detido, o delegado Edson Tadeu Cezimbra explicou que uma possível relação entre os dois ainda está sendo apurada. “Não temos essa certeza de que existia relação afetiva, o que será definido na finalização do inquérito policial”, frisou. A linha de investigação, por enquanto, é de feminicídio.

O Instituto-Geral de Perícias (IGP) foi acionado após a localização do cadáver na tarde de terça-feira na residência. Uma equipe do Posto de Criminalística do IGP em Passo Fundo realizou a perícia no local. A vítima estava enterrada, enrolada em uma lona plástica de cor preta, na antiga garagem da casa. A cova estava escondida sob um tapete. O cadáver foi levado para o Posto Médico-Legal de Carazinho, onde será realizada a identificação oficial.

 

Fonte: Correio do Povo

 

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos.