Apoio de Neymar a Bolsonaro irrita a cúpula da CBF às vésperas da Copa do Mundo

(FOLHAPRESS) – "Tá nervoso? Morde o cotovelo!". Assim Neymar respondeu, exibindo seu sorriso branquinho, àqueles que o criticaram por usar suas redes para apoiar Jair Bolsonaro à reeleição, num vídeo em que aparecia cantando e dançando.

Isso aconteceu no dia 29 de setembro, um dia depois de o candidato à reeleição visitar o Instituto Neymar Jr., projeto social do jogador, em Santos. De lá para cá, o atacante do Paris Saint-Germain vem colaborando ativamente com a campanha bolsonarista, chegando a participar de uma live com o político, na qual prometeu fazer o número 22 com os dedos quando (e se) fizer o primeiro gol na Copa do Mundo.

Por mais que ele queira, não tem como. Não pode -e a ordem vem de cima: a FIFA proíbe manifestações políticas durante o Mundial. Todo esse contexto, no entanto, desagradou a CBF. A entidade está mordendo o próprio cotovelo.

A reportagem apurou que, internamente, a atitude do atacante foi considerada uma "afronta pública" à instituição, que havia recomendado neutralidade política aos seus jogadores no período pré-Copa do Mundo.

Neste caso, é importante salientar a diferença, ainda que um pouco sutil, entre "recomendar" e "determinar". Não há nenhuma proibição, censura ou regra formal em relação ao posicionamento público dos atletas, como o técnico Tite afirmou em recente entrevista à Folha.

Mas há uma recomendação, um conselho, para que eles baixem a bola e se contenham -o que Neymar não vem fazendo. Para a CBF, faltou bom senso ao jogador, já que suas declarações podem atiçar a rejeição e a hostilidade de parte da torcida, além de contrariar o que havia sido proposto pela gestão do atual presidente, Ednaldo Rodrigues, de desvincular a política do futebol.

O clima interno está esquentando. Mais do que inadequadas, as declarações do atleta de 30 anos foram consideradas pouco inteligentes e imaturas. O técnico Tite e o coordenador Juninho Paulista analisam a melhor forma de mostrar a Neymar, com todo o jeitinho, que a fase "menino Ney" já deveria ter passado.

Procurados pela reportagem, Tite e Juninho disseram, por meio da assessoria da CBF, que não iriam se pronunciar "visto que o ocorrido não aconteceu no ambiente da seleção brasileira". A equipe de Neymar não respondeu às mensagens enviadas pela reportagem.

Fonte: Notícias ao Minuto

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.